« Home | Vô contá como é triste, vê... » | Analogias virtuais... » | Aproxima-se o Natal, manifestam-se os afectos. É t... » | Na Internet, nem todas as crianç... » | Poema da Menina Tonta » | "ESTRANHA FORMA DE ESCRITA" » | O nosso “andorinha” » | Sete mulheres iranianas condenadas a morrer por la... » | CARTA ABERTA AO MEU BANCO » | que me perdoem .... » 

19 novembro 2006 

Confesso que não vivi






















Passei uma eternidade à tua espera
E esperei…
Subi ao céu e rodopiei
Dei a volta e reentrei
Toma este mar…
Que os nossos dias são curtos…
E foram tão longos os tempos sem ti
Tão sofridos por não te ter
Confesso que não vivi!


Rogério Martins Simões

E há quem pergunte amargurado: Mesmo confessando que se viveu, qual a glória de se saber que mesmo vivendo tem que se morrer?

Cada vez mais me convenço que a imortalidade através do amor é como as marés: intermitente como as marés altas e baixas. O importante é perceber que o essencial nas marés é a água. Quer a maré esteja alta ou baixa, a água nunca deixa de existir...

...obrigado pelo comentário no velhinho lobices, cunhada :)))))

Ler advém de um estado da alma, eu muito novinho me apaixonei pela leitura e daí veio a escrita.

São as minhas paixões, entre outras, até dormindo eu escrevo e leio.

Viver deve-se fazê-lo, sem se pensar o que v~em a seguir.

Bjnhs muitos

ZezinhoMota

Enviar um comentário