« Home | Aproxima-se o Natal, manifestam-se os afectos. É t... » | Na Internet, nem todas as crianç... » | Poema da Menina Tonta » | "ESTRANHA FORMA DE ESCRITA" » | O nosso “andorinha” » | Sete mulheres iranianas condenadas a morrer por la... » | CARTA ABERTA AO MEU BANCO » | que me perdoem .... » | ó pá ohje tou msesmo cotente! memo asim cotente, t... » | A nossa bela TAI - BOAS NOTÍCIAS! » 

10 novembro 2006 

Analogias virtuais...

Sente-se só. De pé, entre as paredes pontilhadas de fragmentos de vida - fotografias, recortes de revista, post-its e maquetas - repara no piscar das minúsculas luzes do modem que lhe mostram que este iniciou o seu mutismo. Não poderá durante demasiado tempo, sabe, caminhar pelo corredor - é assim que ela imagina o mundo virtual, um corredor por onde todos se passeiam, falando-se ou não, numa multidão de vozes quase sempre sem som e tantas vezes anónimas, ou quem sabe, fazer apenas fazer uma pesquisa, espreitar um blog, uma notícia...

Sente medo. Observa o velho Mac - um computador que a que o tempo roubou pressas mas que ainda ostenta orgulhosamente o logo colorido da maçã - mantém-se silencioso. Acorda-o com um toque suave no rato. Não quer ficar sozinha... Por toda a casa encontrou vestígios recentes de vazio. Um livro, um cinzeiro ou uma moldura que deixou o seu traçado no pó fino que permanece nos móveis. Cada objecto transformou-se numa peça de partilha, parte de um puzzle que nunca irá completar. Achava-se mais forte, mas o medo surgiu mascarado de noite e de sombras. Já não pode refugiar-se no corredor virtual.

Pára no tempo. Leu em criança demasiados contos de fadas, e já adulta, coleccionou do mundo real apenas o que lhe interessou. Recusou-se a catalogar o cinzento do mundo e remeteu-o desordenadamente para caixas de cartão, que mantém num sótão reservado para o que considera proibido. E um dia, abruptamente, começou também a riscar o futuro - um futuro imaginado, que em tempos se entretinha a desenhar delicadamente, como se estivesse na primeira classe a treinar o alfabeto - riscou-o com violência, até rasgar a folha. Mas riscou-o já demasiado autêntico.

Fixa o ecrã. Na vida não se fazem rascunhos, não há "maça, z", nem "control, z". Não se fazem updates à felicidade ou desfragmentações ao sofrimento. Hipnotizada pelos pensamentos, projecta mentalmente circunferências, vectores sem alma ou defeito que refaz na perfeição, como se fosse possível a perfeição se imitada por uma máquina. É fácil gerir a nossa mente perante um documento em branco, que em nada nos questiona. Esse vazio de cada novo documento parece despertar-nos a capacidade de recomeçar. Alguns toques no teclado e no ecrã os círculos adquirem, aleatoriamente, tonalidades e transparências suaves.

Relembra. Há um ano atrás, o primeiro disco rígido do computador morreu. Alguns gigas de tudo e de nada desapareceram. Durante dias catalogou o que se encontrava preso no interior da peça fria e inacessível de hardware, cada fragmento de informação que nunca mais seria imagem, som ou vector. Perante a inevitável perda de toda a informação, refez os trabalhos a decorrer à data do incidente e arquivou os restantes - aqueles que mais sorrisos tinham feito surgir - na área que o cérebro dedica ao não esquecimento.

Sorri. Sempre se refugiou em analogias para assimilar o traçado invisível da vida - como em criança entendeu, através dos infinitos numéricos, que o seu querido céu de brilhos vários também não tinha fim. É agora uma máquina - um aglomerado de plásticos e hardware sem vida - que a ensina. O passado permanece, nunca desaparece no vazio. Transforma-se em fragmentos de memória.

Respira fundo. Retira finalmente todas as ligações ao modem".

Raquel V.



(um texto surpreendente, marcado pela potência do génio; por isso, e por tudo o mais,
também eu te amo; respira fundo... e sorri!)

A escrita da Raquel tem algo que nos prende.
Lindo texto.

Obrigada, Titas.
Já lá fui deixar o meu beijinho à nossa menina.

Um muito doce para ti.

Eis aqui para desejar um óptimo fim-de-semana, enquanto aprecio esta página, sempre atractiva, eternamente interessante, continuamente apelativa, por todos os motivos. Um hábito que se tornou imprescindível, claro, porque a qualidade é muita, como se vê neste lindo texto.

Obrigado Titas. Este texto é magnífico como o é a escrita da Raquel - prosa ou verso. Neste "corredor" de palavras e empatias ela é marca de saudade.
Já lhe deixei um bjinho.
Deixo outro para ti e uma flor para um fim-de-semana de sol

De ums sensibilidade tocante.
Deixo uma baraço às duas ;)

Agora que venho à net aos pouquinhos... sim, mesmo aos pouquinhos... fico feliz por descobrir por aqui um nadinha da minha minha forma de ser.
Esta raquel (a q escreve) é feliz, cheia de cores e esperança.
E sorrio ao escrever-te isto.
Sabes que eu... sim...
Beijo imenso!

Enviar um comentário