« Home | Como não sei quando (ou se) vou regressa... » | Confesso que não vivi » | Vô contá como é triste, vê... » | Analogias virtuais... » | Aproxima-se o Natal, manifestam-se os afectos. É t... » | Na Internet, nem todas as crianç... » | Poema da Menina Tonta » | "ESTRANHA FORMA DE ESCRITA" » | O nosso “andorinha” » | Sete mulheres iranianas condenadas a morrer por la... » 

11 dezembro 2006 

Nasci em Torres Novas - Salvador.

O meu Pai....

Há alturas em que as saudades doem mais...

As saudades doem mais em alturas especiais.
Olha Titas, toma lá um beijinho.
Boa semana.

As raízes nunca se adulteram.
Já as saudades...

E porque me fizeste lembrar o meu, como eu te entendo em momentos que são só nossos.

Beijokas

Há já há há algum tempo a saudade sentou-se ao meu lado. Já lhe conheço os termos, a sua forma de ser, mas, por muito que a conheça, sempre me surpreende, e sempre me vem dizer algo que me faz pensar no meu Pai. Tu sabes que sim, meu Amor, minha Titas Mai Nitas.
Por isso, meu doce, aqui te deixo o que escrevi, a morrer de vontade que ele me telefonasse, só para me contar uma anedota :-)

Pudesse encontrar a escada
Subi-la degrau a degrau
Chegar ao cume
Do melhor dos pensamentos...

Acreditar por momentos
Que nada acaba,
Nada muda...

Percorrer a miragem,
Calcorreando quimeras
Sem sofrimentos,
Sem ânsias
Só o bafejo,
O cheiro tranquilo
Do parar dos dias

Ver-te!
Deixar correr uma lágrima
Só uma
Secá-la com as costas da mão
Para que me visses
Me olhasses,
Como quando,
Não dizendo nada,
Dizíamos tudo
Adivinhando serenidades,
Acalmias,
Os tempos belos

Pudesse eu…
Aprender de novo a andar
Esculpindo na textura do teu rosto
Aquele sorriso
Tão impossível nos finais felizes

Chorava só mais uma vez,
Por dentro
Beberia da água que chorara,
Sopraria o fim para mais longe do longe,
E olhar-te-ia
Enquanto olhavas o que levara para ti
Hoje!

Não era um presente
Era um rastro
Eram três palavras,
Ímpares.
Era o que eu te poderia dar,
Que transportara com cuidado.

Pudesse eu…
Encontrar-te!
E beberia saudade...
Tasquinharia ternura
E dividiríamos,
A vontade de nos sentarmos
À sombra da certeza,
De estarmos juntos outra vez!

Pudesse eu...
E levava-te aquele abraço
Que me pediste para guardar
Para uma boa ocasião

Pudesse eu...
E a ocasião era agora,
E abraçar-te-ia de novo
.
... PAI...

É para ti, meu Amor Lindo!
Com uma beijoca na ponta do teu nariz.

As saudades, temos que as receber como uma das dádivas da vida.
Porque ter-se saudades, é porque as temos por alguém que nós amamos e que tal sentimento irá perdurar para além da nossa existência.

Um beijo e um abraço para que possas sentir o calor da minha amizade.

ZezinhoMota

Não entrava a minha conta do blogger.

ZezinhoMota

Enviar um comentário