« Home | Te arrebataram o cavalo de madeira Isso nã... » | que me perdoem ... » | Picolli Appuntamenti di viaggio » | Escreve! Sou árabe e o meu bilhet... » | Véspera de viagem, campaínha... ... » | Não sei, não... Em termos de au... » | A arte de bem escrever » | A. da minh'alma, » | Carissimo Reporter » | Meu querido A., Volta e m... » 

05 setembro 2006 













Está aqui a Raquel que não me deixa mentir: ando feita a taradinha dos se-me-ses. Descobri-lhe as vantagens: estou em contacto com os estimados e as estimadinhas em momento real e oportuno, quer seja dia quer seja noite, as notícias não envelhecem e é baratinho. Simples e rápido, e.g.: "m q m vem a ser eça? I n t tinha dit j p n ligares boy q n é flor q s ch Pq insist Procura ot c ok Mand news Bj lov u". Não sei se estão a acompanhar o meu ponto de vista. É que, por mail, eu teria que dizer: "mas que merda vem a ser essa?Eu não te tinha dito já para não ligares ao gajo, que não é flor que se cheire; por que insistes? Procura outro, caraças, está bem? Manda notícias. Beijos; adoro-te".

Mas vem isto a (des)propósito de me lembrar que há muito não vinha aqui ao berlogue. Mais precisamente, e se a memória não me engana, desde a última vez que aqui estive. Mas vir aqui significa falar, comunicar, interagir. E que tenho eu para dizer? Pois que me dói o dedo. Exactamente! A porra do dedo polegar da porra da mão direita (A Collen McCullough que me perdoe o plágio, mas estou a adorar a Casa dos Anjos).

E por que me dói o dedo? Porque o tenho gordo e com unha de gel grande e comprida, uma condição nada favorável a quem passa o dia a enviar se-me-ses. A solução é mesmo dobrar o dedo e teclar com o canto esquerdo da unha. Daí a dor lixada que tenho na porra do dedo. Do polegar direito, para ser mais precisa.


Por descargo de consciência, voltei a ler o que escrevi. A reacção foi directa e óbvia: "para escreveres esta merda, mais valeria estares calada!". Contudo, a-que-não-gosta-de-perder-nem-a-feijões que há em mim, contrapôs: pois, se eu estivesse deprimida, ainda poderia espremer-me, para gáudio dos intelectuais que por aqui (não) passam:

Olhos obnubilados
sinapses de desespero
de lágrimas entupidas
transpirando vazio


ou, estando triste, para gáudio dos poetas, que para mim se estão nas tintas:

alma doendo
emoções sagrando....


mas o que me dói é mesmo o dedo, porra!

(e bem que poderiam dar aqui um beijinho a ver se passa)

Querida Titas!

Pois nós também temos de vez em quando umas dores levadas da breca! É que quem lida com alfinetes arrisca-se a soltar uns fod*-** de vez em quando :)

Ou umas "sinapses de desespero", consoante o gosto :)

Uma grande beijoca e as melhoras para a porra do dedo ;)

És mesmo burra, rapariga! Para os se-me-ses, usas o bico duma caneta nas teclas do telemóvel. Para outras funções, usas.... pois, isso!

para ti, minha parva, sua tecla 3, §(~_~)§ um manguito da Afrodite
(uma carinha d'anjo num corpo espectacular, com tudo no sítio, muito dentro do prazo, sem aditivos nem silicones)

Olá amiga! Agradeço-te a explicação da SPA e agradeço-te os elogios k ñ sei se mereço...mas se o dizes...(fico vaidosa claro) para quê mentir.Bem o teu post está sublime! Adorei. Desejo as melhoras do dedo.Bjs

Olá amiga! Desjo-te uma boa semana, cheia de coisas boas , deixo um beijinho e as melhoras do dedo (ih!ih!) Mtos, mtos Bjs

Lool Titas. Já estava com saudades da tua boa disposição e desse correr da pena (teclado) mesmo com a ponta da unha inchada :) ou dedo doente. Quando dei o bjinho ao "borracho" que indicaste, não é que ele começou a desafinar!!!!!! loool

Bjoka grande

Enviar um comentário