« Home | Véspera de viagem, campaínha... ... » | Não sei, não... Em termos de au... » | A arte de bem escrever » | A. da minh'alma, » | Carissimo Reporter » | Meu querido A., Volta e m... » | obrigada pela visita, um beijo! » | Dia 3: Instala-se o sentimen... » | um miminho para quem por aqui passa... » | Diante de mim e à minha vo... » 

07 agosto 2006 

















Escreve!
Sou árabe e o meu bilhete de identidade é o cinquenta mil;
tenho oito filhos e o nono chegará no final do Verão.
Vais zangar-te?

Escreve!
Sou árabe.
Trabalho na pedreira
com os meus companheiros de infortúnio.
Arranco das rochas o pão,
as roupas e os livros para os meus oito filhos.
Não mendigo caridade à tua porta,
nem me humilho nas tuas antecâmaras.
Vais zangar-te?

Escreve!
Sou árabe.
Sou um homem sem título.
Espero, paciente, num país em que tudo o que há existe em raiva.
As minhas raízes,
foram enterradas antes do início dos tempos antes da abertura das eras,
antes dos pinheiros e das oliveiras,
antes que tivesse nascido a erva.

O meu pai descende do arado,
e não de senhores poderosos.
O meu avô foi lavrador,
sem honras nem títulos,
e ensinou-me o orgulho do sol antes de me ensinar a ler.
A minha casa é uma cabana,
feita de ramos e de canas.
Estás feliz com o meu estatuto?
Tenho um nome, não tenho título.

Escreve!
Sou árabe.
Roubaste os pomares dos meus antepassados e a terra que eu cultivava com os meus filhos;
não me deixaste nada,
apenas estas rochas;
O governo vai tirar-me as rochas,
como me disseram?

Escreve, então,
no cimo da primeira página:
a ninguém odeio, a ninguém roubo.
Mas, se tiver fome,
devorarei a carne do usurpador.
Tem cuidado!
Cuidado com a minha fome,
Cuidado com a minha ira!"

(Mahmud Darwish)

PODEREI TRAZER OLHOS MAIS DISTANTES,
VÃO PERDIDOS, SEM RUMO, NAVEGANDO,
EM TRISTES ROTAS, MARES INCONSTANTES.
PROCURA POR TEUS OLHOS, FLUTUANDO

NAS VAGAS SOMBRAS, LUZES VÃO BAILANDO,
NOS ÚLTIMOS COMPASSOS, DELIRANTES;
PERDER-ME, ALUCINADO, SABER QUANDO,
PODER SER O QUE SONHO SER, BEM ANTES

DA DERRADEIRA DANÇA NOS TEUS BRAÇOS,
QUE ME CONDUZ, VADIO POR ESPAÇOS,
NOS COMPASSOS SERENOS DO TEU CANTO,

NO QUE ME DERA,EM VIDA TANTO ENCANTO
NO QUE PUDERA SER ME DESENCANTO,
MAS QUE, GLORIOSA, VIVE EM MEUS ABRAÇOS...

Venho deixar um beijinho. Voltarei lá para Setembro.

Espero que estejam todos bem a ver o Tiago a crescer de dia para dia, hihi...

muito oportuno para todos nós lermos e + ainda para os ditraídos. Bjs.
Luz e paz

Enviar um comentário