« Home | Dia de Natal Hoje é dia de era bo... » | Cartas ao Pai Natal » | Como dar a queca perfeita » | Faciamo le corna afinchè la crisi se ne vada prest... » | titas, a aculturada » | Para as elei@oes europeias, se eu estivesse em Por... » | A arte de bem escrever » | Chegou o homem neossexual » | Pasme-se… » | » 

24 janeiro 2010 




















Pensei-te gata
Tocou-me tua ternura
Protecção de dois indefesos gatinhos
ACARICIEI-TE
Os teus olhos doces mas tristes do abandono
Deram-me tuas lágrimas
Gato poema
Em ti tropecei por razão destinada
Peguei em ti
Teu nariz frio acalentou o meu
Tua pata acariciou meu rosto
Afinal eras gato
Ronronaste
Chamei-te Feijões
Hoje pertenço-te
À vida
Peço um segundo depois da tua

Não me é nada desconhecido este feijões que se tornou um belo gato.
Cheguei há 4 dias do hospital depois de mais um periodo de sofrimento na guerra com o cancro que há dois anos me afronta. Mas cá vou sobrevivendo.
Bjs para vós
TD

Enviar um comentário